AS TUAS GLÓRIAS VÊM DO PASSADO.

 

Neste momento todos temos opiniões e certezas, como tenho as minhas, e sofremos com o mal que assola nosso tricolor. Vários especialistas, curiosos e palpiteiros, deram seus diagnósticos, que são convergentes, e apontaram a origem do mal.

Todos sabemos da incompetência instalada nos últimos anos, do compadrio, dos conchavos e da falta de visão de futuro, até porque, uma parte significativa não tem futuro, então, é difícil pensar no longo prazo.

Vivemos um momento delicado, passamos a ser motivo de gozações diárias, e nossos nervos estão a flor da pele. Como consequência, temos atitudes emocionais, alimentamos as discussões e as divisões, e ingenuamente aumentamos a instabilidade.

Há tempos que nosso conselho é omisso, conivente e medíocre. Não temos lideranças, temos grupelhos, uma “situação” omissa e uma oposição raivosa. Uma guerra de egos, e uma carência de afagos.

Minha família, pais, tios e primos, me fizeram são-paulino, na época que ficamos 13 anos sem títulos, nasci em 59. Mas havia um propósito, estávamos construindo o maior estádio particular do mundo.

E apesar da seca, era motivo de orgulho. Éramos diferentes, estávamos à frente de nosso tempo, e fomos crescendo, formando grandes times, sendo pioneiros na ciência do esporte, Refis, CT, etc. Nossa política era intramuros, mas sempre pensando no SPFC. Dirigentes exemplares.

Consequentemente vieram conquistas memoráveis, que nos levaram a ser uma das maiores torcidas do mundo.

Mas hoje a nossa realidade é outra. Uma crise sem precedentes, que tem nos deixado a cada dia, atrás de nossos rivais. Apagamos incêndios o tempo todo. Reagimos às mais variadas pressões, com decisões e ações, e que nos mostra o quanto estamos sem direção.

Estamos perdendo nossos valores. Não há propósitos, objetivos, tampouco um diálogo claro, uma conversa franca, mostrando os obstáculos e como estamos tentando superá-los.

Precisamos de novas lideranças, pessoas contemporâneas, empresários e executivos de sucesso, precisamos de uma empresa que funcione do lado de dentro, para que a gente comemore do lado de fora, com muitas vitórias e campeonatos.

É hora de união, é hora de sabermos como vamos superar esta situação, de cobrar todos os dirigentes, pois são os líderes que dão sentido e tranquilidade à suas equipes, e em momentos turbulentos, a conduzem à um porto seguro.

E mais, precisamos sonhar e pensar grande.

  • Qual nosso objetivo para 2018?
  • O que podemos almejar com os recursos que temos?
  • Qual o modelo de clube empresa que vamos seguir?
  • Somos eficientes na gestão de nossos recursos?
  • Seremos superavitários?
  • Nosso marketing irá se sujeitar a qualquer esmola?
  • Como ter o melhor e maior programa de Sócio Torcedor?
  • Quais ações para aumentarmos nossa torcida?
  • Como atrair e manter os jovens talentos da base, e voltar a ser objeto de desejo da boleirada?
  • E a nossa infraestrutura esportiva é de ponta? É referência?
  • Nossos profissionais são os melhores?

Chega de disse me disse, de mimimi, de rancores, “de não falei”, de não é comigo…

É hora de mudança de atitude de todos, situação, oposição, sócios, sócios-torcedores, blogueiros, tweeteiros, me incluo nisto. Vamos nos unir para sairmos muito mais fortes desta situação.

O SPFC, não é coisa para juvenil, ou para velhos ultrapassados. O SPFC é para gente grande, para líderes corajosos, competentes e de visão.

Uma reflexão de um são-paulino apaixonado, que foi ao Morumbi assistir seu primeiro jogo em 1963.

“Salve o Tricolor Paulista”

Obrigado,

Ildo Tavares