CABEÇA DE TREINEIRO

 

Após o jogo do Tricolor contra o Internacional de Porto Alegre que terminou num empate melancólico de 0x0, fiquei tentando entender o que se passa na cabeça de um treinador de um time da grandeza do São Paulo escalar Trellez e Diego Souza juntos, para piorar Diego como centroavante e Trellez como ponta direita.

Por esse motivo o SPFC jogou umas das piores partidas na era Aguirre na minha opinião tecnicamente e taticamente, a única coisa notória que Trellez fez em campo foi tomar um cartão amarelo.

Na segunda etapa quando todos pediam (inclusive o comentarista que estava na transmissão) a entrada do Shaylon no lugar do Trellez deslocando Lucas Fernandes para beirada o Aguirre conseguiu surpreender a todos tirando Lucas e colocando Araruna para dar mais proteção ao lado direito da zaga onde já temos Militão, ou seja, outro erro do “treineiro”.

De positivo no jogo só a boa atuação de Lucas Fernandes, Militão, Reinaldo e Petros que deixou bem claro nesse jogo que é primeiro volante e nada mais que isso.

Muito se falam que Cueva não faz falta nesse elenco atual, mas bastou uma partida sem Nenê para que se notasse que o time precisa de um reserva pro nosso 10 que veste a 7. Eu não acho que esse substituto tem que ser necessariamente o Cueva, mas por mais que tenha potencial Shaylon ainda está longe de ser esse jogador que possa organizar o time.

Outra coisa que não entendo é por que o Aguirre insiste com Sidão na meta tricolor, esse não traz um pingo de confiança e cada jogo que passa vai minando cada vez mais o coração dos torcedores cardíacos tricolores.

Para finalizar só queria ressaltar que o Aguirre é um bom técnico, achou num 442 um padrão de jogo que pode dar muitas vitórias ao SPFC, o que falta ao “treineiro” é deixar de ser “pardal” e escalar as peças certas em cada função, e Trellez na ponta nunca mais.

Abraço a todos menos ao Aguirre.

Siga no twitter: @amaury10miranda