CHEGA DE APOSTAR NA BASE EM 2017.

Blog Sem categoria Tricolor



ImagemPostVictor

 

O São Paulo se despediu precocemente da Copa São Paulo de Juniores, após derrota nos pênaltis para a Chapecoense. O Tricolor foi o melhor time da primeira fase, mas, ainda assim, fez uma campanha ridícula, visto que goleou duas equipes fraquíssimas, venceu o freguês Capivariano e, no primeiro confronto contra um adversário mais qualificado, sucumbiu.

 

O post de hoje tem como objetivo analisar os pontos negativos e positivos da equipe que disputou a principal competição de base do Brasil e, principalmente, tranquilizar o leitor, que pode ter se assustado com o título do post. A confiança nas categorias inferiores do São Paulo permanecem, conforme será explicado adiante.  

 

O torcedor que não acompanha muito a base pode ter estranhado a eliminação diante da Chapecoense, pois certamente ouviu falar que a equipe sub-20 do São Paulo foi multicampeã em 2016. Acontece que a geração que atropelou os adversários no último ano foi desmontada pelo treinador Rogério Ceni, que subiu a maioria dos garotos para o elenco principal (os melhores haviam sido promovidos ainda pelo Ricardo Gomes). Na Copa São Paulo, então, ficaram os reservas do time sub-20, mesclados com alguns atletas do sub-17, ou seja, jogadores ainda muito jovens e que têm pelo menos mais dois anos antes de estarem aptos ao profissional. Logo se percebe que o resultado não foi lá muito surpreendente.

 

david-neres-ii

 

Claro que vencer a Copa São Paulo é legal, gosto mais até do que o título do Campeonato Paulista, porém a prioridade é formar jogadores para o time principal e, certamente, o Rogério fez bem ao levar os garotos para a Barra Funda (e para os Estados Unidos) e praticamente dizimar as chances de ser campeão na Copinha. Para quem acha que os garotos que ficaram na base não são tão bons, é preciso lembrar que o time sub-20 que ganhou tudo apanhou bastante em competições anteriores antes de levantarem as várias taças que conquistaram. O resultado disso tudo foi um bom aprendizado, que hoje rende ao Tricolor um goleiro promissor (Lucas Perri), dois velocistas infernais (Luiz Araújo e David Neres), os maestros Lucas Fernandes e Shaylon, além de muitos outros que podem ter chances neste ano. Em 2017, destaco o meio-campista Frizzo, o atacante Caíque e o zagueiro Éder Militão. O ponto negativo fica por conta do meia Geovane, jogador fraquíssimo, que errou um dos pênaltis e, principalmente, do atacante Paulo Bóia, que quase complica o time antes mesmo das penalidades, ao se dirigir de forma desrespeitosa ao árbitro da partida. Atleta com esse temperamento tem que ser muito craque para valer a pena e, sinceramente, nem bom ele é. O goleiro Lucas Paes também não agradou, mas ele ficou muito tempo na reserva do Lucas Perri o ano passado, portanto merece ser melhor avaliado quando tiver mais ritmo de jogo.

Independente do desempenho de cada jogador, acho que o São Paulo não deveria apostar em nenhum deles este ano (por isso o título do post, em que quis apenas chamar a atenção). Ainda falta maturidade para os atletas que, repito, são muito novos. Mais tempo na base ou emprestado para um clube menor certamente os farão amadurecer e, aí sim, serem aproveitados no profissional. Por enquanto, vamos com o que temos e com os jogadores já promovidos por Ricardo Gomes e Rogério Ceni, pois eles sim estão prontos para começarem uma história de sucesso com a equipe principal.

 

Siga no twitter: @victordavidspfc