Esquadrão de Aço

Floresta

esquadrao

O São Paulo Futebol Clube nasceu grande, com os craques do Paulistano e a melhor praça esportiva da cidade, na Chácara da Floresta, que passou por reformas e ganhou postes de iluminação para jogos noturnos, algo inédito até então na capital.

Dentro de campo o Tricolor ia muito bem, só conhecendo sua primeira derrota em sua nona partida oficial, e emplacando, pouco depois, uma sequência invicta de 20 jogos. Foi o Vice-Campeão Paulista de 1930, com uma única derrota em seu ano de estréia na APEA. Nada mal para um novato.

O Campeonato Paulista de 1931 somente foi encerrado em 1932. Novamente o São Paulo só perdeu uma única partida, ainda no início do certame. Ao fim, decidiria o título, disputado em pontos corridos, em um jogo contra o Corinthians – o mesmo que o derrotara em 1930. O Alvinegro atuaria em casa, ou melhor, na Fazendinha. O Tricolor não se intimidou e goleou, por 4 a 1, com dois gols de Armandinho, e outros de Friedenreich e Araken Patusca. O São Paulo FC deu o troco e comemorou seu primeiro título em solo alheio. Nascia, assim, o Esquadrão de Aço.

A temporada de 1932 foi curta, abreviada pela Revolução Constitucionalista – somente 11 jogos foram disputados -, quando muitos dos jogadores paulistas pegaram em armas pela defesa do estado, inclusive o craque Friedenreich. Uma derrota inesperada para o Germânia atrapalhou os planos, e o São Paulo foi, mais uma vez, o vice-campeão. O Germânia, aliás, foi o único time paulista, além de Palestra e SCCP, que venceu o Tricolor no período 1930-1935.

No ano seguinte, o profissionalismo foi oficialmente adotado, e uma partida do São Paulo inaugurou a nova era do futebol brasileiro. A primeira peleja dessa nova fase aconteceu em 12 de março de 1933, e – claro – não podia deixar de ser uma goleada, para ficar bonito na história: 5 a 1 sobre o Santos, lá na Vila.

Outra novidade: em 1933 acontece a disputa do Torneio Rio-São Paulo, então chamado Campeonato Brasileiro de Futebol Profissional (sic), em que o São Paulo foi o segundo colocado. A mesma posição obtida no campeonato estadual. Ficaram para a história, entretanto, a melhor média de gols da história do clube (3,74 gols por jogo) e as 19 goleadas aplicadas em 34 jogos.

O desempenho só não foi ainda superior por culpa de uns tropeços aqui e acolá. Eles se repetiriam mais uma vez em 1934, com outro Vice-Campeonato Paulista. Justificável, pois, como veremos a seguir, o clube estava mais preocupado com outros assuntos…

Fonte:
http://www.saopaulofc.net/spfcpedia/a-historia-do-spfc/floresta/