Entrevista: EYELINER

A banda EYELINER está na ativa há 5 anos e tem se destacado no cenário local por suas apresentações cheias de energia.

Originária de Sorocaba/SP,  Ray Walter (vocal), Tony Alex (baixo), Zafra (guitarra) e Jack T (bateria), o EYELINER tem como diferencial a escolha do repertório, fugindo da mesmice na escolha de covers e demonstrando grande talento a cada composição própria introduzida em seu setlist.

Parte desse trabalho autoral está oficialmente registrada no recém-lançado “The Eyeliner EP” que pode ser ouvido no player abaixo:

A seguir você confere um papo com os “garotos das ruas” com os detalhes do EP e da trajetória da banda até aqui:

ENTREVISTA: EYELINER

Com 3 anos de existência, o EYELINER conseguiu obter um consistente reconhecimento no cenário local que continua em gradativa expansão. Vocês esperavam uma resposta tão positiva em um tempo relativamente curto?

Tony: Sinceramente? Sim, sempre trabalhamos duro pra isso, não pra ganharmos grana, claro isso é consequência e resultado de trabalho, porém, o que fazemos e como fazemos sempre foi por reconhecimento. Não tem nada melhor do que ouvir a galera cantando “Night of The living dead, you should run instead…”

Ray: Nestes 3 anos tivemos vários percalços, mas mesmo nos momentos mais difíceis o Eyeliner estava lá, e de um ano pra cá acredito que as coisas tem acontecido muito rápido graças a todos esses desafios que já vencemos.

Zafra: Sim. Nós temos muita confiança no que fazemos porque fazemos com o coração. É orgânico, é sincero.

Jack “T”: O desempenho, força de vontade e positividade ajudaram nessa resposta do público. Somos determinados, fazemos o que amamos, transmitimos isso e estamos colhendo o que plantamos.

No repertório do EYELINER há muitos clássicos do Hard Rock . Como funciona a escolha das músicas na hora de montar o setlist?

Tony: Tocamos músicas que geralmente gostaríamos de ouvir, por exemplo, nunca ouvi alguém tocando Round & Round do Ratt. Acho que as pessoas esperam por clássicos, bom, o Eyeliner proporciona essa experiência…

Ray: Essa pergunta é muito boa, nós sempre queremos homenagear os músicos que amamos, mas as vezes até uma música que todos adoramos não “casa” com o nosso show e nosso momento, então nos shows tocamos apenas uma pequena fração das músicas que ensaiamos.

Zafra: Misturamos músicas que nos influenciam, que acrescentam algum sentimento no momento certo do show e que criem uma atmosfera e reação específica do público.

Jack “T”: Sentamos e conversamos a respeito dos covers, temos um gosto bem diferenciado um do outro por incrível que pareça, mas gostamos de muitas coisas em comum. O que soa digno nós tocamos, do contrário não (risos).

Falando nisso, sabemos que vocês não abrem mão das composições autorais. Como tem sido a aceitação dessas músicas próprias por parte do público e dos promotores de eventos?

Tony: Surpreendente! Lembro que fui abordado em uma apresentação recente onde um cara chegou e me perguntou: “Cara, essas músicas são suas mesmo? Que demais, não devem nada pra outras bandas!” Isso nos motiva, o que nos leva a sempre estar apresentando músicas novas em nossos shows, a próxima será Love Doesn’t Kill.

Ray: É que não abrimos mão das músicas autorais, o Eyeliner é nossas músicas e a aceitação é maravilhosa, desde as pessoas cantando Night Of The Living Dead ou agitando na Naked, Have You Read The News?, enfim em todas.

Zafra: Estão achando que nossas músicas são covers, isso só pode significar algo bom.

Jack “T”: Fazemos um ótimo som, são músicas realmente de qualidade, os produtores de eventos, donos das casas nos elogiam a cada apresentação, dizem que nossas músicas passam uma energia muito boa.

Parte desse material pode ser conferido no primeiro EP da banda. Como vocês se sentem em relação a esse primeiro registro oficial?

Tony: Uau, não estou contendo as emoções, ontem eu estive presente na produtora e dei uma ouvida nas faixas, estava mais acompanhando a parte burocrática, agora não consigo parar de ouvir. Esse tal de Eyeliner mexe comigo, cara….

Ray: Realização é a palavra, as 5 faixas trazem uma emoção e uma mensagem diferente, e o EP inteiro está eletrizante, não consigo parar de ouvir.

Zafra: Pessoalmente ansioso. Ansioso para mostrar ao mundo o que temos a dizer. Mas acima de tudo, muito orgulhoso. Foram horas, dias, semanas e até meses dedicados à essas músicas. Mas estamos só aquecendo, tem muito mais para vir ainda.

Jack “T”: Eu entrei na banda oficialmente no segundo semestre de 2016, já peguei o EP em andamento, foi o Rick Sánchez um ex-baterista que gravou as linhas de bateria. Estou mega feliz com o resultado. Pra mim é uma honra estar participando e evoluindo com os caras. Falem um pouco sobre o processo de criação e composição das músicas do EP.

Tony: É uma pergunta muito gostosa e prazerosa pra se responder. Nosso primeiro single foi Still Blind, que antes era chamada de “Sheep”, chegamos na nossa antiga gravadora e compomos a música na hora. Hoje em dia procuramos sempre ser sinceros e mostrar o máximo de nossas emoções tanto nas letras quanto nas melodias. Out On The Streets que estará presente em nosso EP, por exemplo, representa como é você crescer e (sobre)viver em um dos bairros mais “conhecidos” de nossa região. É tudo natural, cara. O The Eyeliner EP representa nada mais e nada menos do que isso, músicas de nossos corações.

Ray: As músicas normalmente já estão idealizadas em nossas cabeças e todos entramos de cabeça pra verbalizar e trabalhamos toda harmonia, o Zafra é o grande responsável pelos riffs e o Tony um grande letrista, eu tenho meus momentos também, mas em geral trabalhamos juntos em todas as músicas.

Zafra: Tem duas coisas que gostamos de fazer com nossas músicas: mostrar nossa essência/identidade e provocar reações. Uma música como Out on the Streets e Have You Read the News?, demonstram ideias de ascensão e reconhecimento de sua origem. Night of the Living Dead e Hard Lovin’ Woman criam uma atmosfera diferente onde o ouvinte se imagina dentro da música. Still Blind é um pouco dos dois.

Jack “T”: Nossas músicas é uma união geral, cada um apresenta sua personalidade, sua idéia e seu ponto de vista, é uma fusão de nós quatro em algo, isso é o Eyeliner!

O último a se juntar à banda foi o baterista Jack “T” Fernández. Como foi a adaptação dele ao estilo de vocês?

Tony: Conhecemos o T praticamente desde o início de nossa carreira, nossa terceira apresentação foi com a antiga banda dele. O cara tem uma experiência e criatividade muito grande, o que sempre nos faz continuar seguindo em frente. Não gostamos de perder tempo, gostamos de fazer músicas, e o T também, além de ser um baterista completo que toca de tudo, faz com que nossas músicas soem agressivas ao vivo.

Ray: O T é um excelente baterista, e tem na veia o Hard Rock, mesmo tocando em vertentes diferentes ele já chegou arrebentando, tanto que ele já havia tocado com a gente como free lancer antes, foi por conhecer essa habilidade e por ele abraçar a ideologia do Eyeliner que hoje ele é um de nós.

Zafra: Bem fácil. O T é um baterista fora de série e acrescentou um gás que a banda precisava. Já havíamos tocado com ele uma vez ou outra no passado então foi bem rápida a adaptação. Jack “T”: Eu já havia tocado com eles antes, minha adaptação foi rápida. Heey caras, valeu aeee (risos)

Apesar de ser uma banda de Hard Rock “raiz” o EP não tem nenhuma balada. Há alguma razão especial pra isso?

Tony: Não pensamos em baladas para o EP pelo simples fato de que ainda não seja o momento certo, gostamos de baladas, quem não gosta? Mas o momento está sendo de mostrar a nossa cara, de meter uma “bicuda” na porta e dizer “chegamos!”.

Ray: Que é tudo questão de momento, nossa balada virá logo!

Zafra: Não acredito ser um momento oportuno para balada agora. Não gostaria de escrever algo só pelo gosto de dizer que “temos uma balada”. É preciso ser sincero nesse tipo de som, não gostaríamos de escrever uma música sem alma, um filler. Ainda mais porque é o nosso primeiro registro em estúdio.

Jack “T”: Por enquanto não pensamos em uma balada porque ainda não era o momento pra ela, mas em logo teremos uma que compensará a ausência dela no EP.

O Hard Rock teve um período de “marginalização”, porém, vemos que atualmente o “jogo virou”. Uma prova disso é a forte presença do estilo em grandes eventos no Brasil. Qual a opinião de vocês a respeito disso? Já sofreram algum tipo de preconceito em relação ao som ou mesmo ao visual da banda?

Tony: Sabemos o que alimenta a indústria fonográfica de nosso país, mas isso não quer dizer que não tem espaço pra nós, nossa agenda com 15 shows para os próximos dias responde isso. E quanto ao preconceito acho (esperamos) que não, mas muitos ainda não estão familiarizados com nossas vestes, até mesmo pelos nossos cortes de cabelo, isso é normal, mas alguns simplesmente não devem gostar por não caberem num jeans número 36 (risos). Hoje em nossa região já é normal sermos rotulados como a banda de “Hard Rock” local, isso não nos incomoda, claro, não nos vestimos assim por tocarmos Hard, isso pode ser tocado vestindo qualquer vestimenta, acontece que gostamos de incomodar e conquistar, isso acontece simultaneamente antes e depois de subirmos no palco.

Ray: O Brasil nunca teve um grande representante Hard Rock e acho que isso fez a mídia esquecer os grandes ícones mundiais do gênero, mas nós e uma garotada aí estamos lembrando eles (risos), e sobre o preconceito já passamos por algumas situações engraçadas mas sempre esse preconceito acaba no primeiro acorde que tocamos.

Zafra: Têm aparecido muitas bandas novas e boas pelo país e o mundo. Mas especificamente de Hard Rock, tem rolado uma grande influência tanto de bandas velhas ainda lançando material quanto bandas mais novas.

Jack “T”: O Hard Rock está sendo bem aceito novamente no Brasil, eu particularmente conheço muitas bandas de todo o país e os acompanho pela internet, e quanto ao nosso estilo, dentro do rock cada um tem sua personalidade, essa é a nossa, eles aceitando ou não.

Com o EP finalizado, quais os próximos passos do EYELINER?

Tony: Com toda certeza, um álbum! Mas estamos felizes já pré-produzindo o nosso primeiro videoclipe, e nosso lyric vídeo, que será lançado mais rápido do que o Sonic! Atualmente estamos trabalhando em novas músicas, algumas letras passarão por revisão e logo teremos novidades.

Ray: Estamos com uma agenda boa, vamos divulgar nosso EP na íntegra na “Out On The Streets Tour 2017” junto com novas músicas. Um videoclipe, um lyric video, e um álbum são nossos próximos passos.

Zafra: Dominar o mundo!

Jack “T”: Vamos trabalhar bastante a publicidade do EP, as mídias físicas serão nosso cartão de visita, nossa maior vontade agora é um álbum, estamos ansiosos pra entrarmos no estúdio e começar a gravar coisa nova, além de um videoclipe. Ah, shows são indispensáveis, quanto mais, melhor!

Gostaríamos de agradecê-los pela parceria com o site TRICOLOR ON THE ROCK. Deixem seu recado para a galera que nos acompanha:

Tony: Nós é quem agradecemos, ao site por nos dar suporte tanto musical quanto pessoal, o Jean Miranda é um cara incrível, ele apoia todo quanto é tipo de arte regional, e com o Tricolor On The Rock vão além disso, acessem lá e fiquem por dentro do que rola no mundo do rock, aproveitem e dêem uma conferida no nosso EP.

Ray: Obrigado, pra nossos fans e os curiosos do site, vocês estão convidados a ouvir nosso EP que essa obra foi feita pra vocês! E Fiquem ligados que logo logo o Eyeliner vai estar fazendo um show pertinho de vocês!

Zafra: Não deixem de acompanhar o Eyeliner, seja no Facebook, seja no site oficial, seja stalkeando os membros, como quiser! Nós acabamos de lançar nosso EP com o singelo título “The Eyeliner EP” e estamos só aquecendo porque vem muito mais por aí!

Gostaria de agradecer ao Jean Miranda pela grande parceria (até em músicas!) e apoio a todas as bandas emergentes da região com o Tricolor On the Rock. E também mandar um abraço para meus amigos Gary Oldman, Hideo Kojima e Bob Ezrin.

Jack “T”: Obrigado por essa oportunidade (de novo), estamos muito felizes em dar a primeira entrevista sobre o EP para o Tricolor On The Rock. Aos leitores, não deixem de acompanhar as publicações do Jean, ele é o cara, e convidamos todos vocês a comparecem aos nossos shows. Suas vidas jamais serão as mesmas.

Para saber mais sobre a banda: