O ano da base?

Blog Tricolor

ImagemPostVictor

 

A Copa São Paulo de Futebol Júnior sempre traz uma grande expectativa para a torcida do Tricolor (particularmente, prefiro ver o São Paulo ganhar a Copinha do que o Estadual). Veremos os jovens destaques brilharem no time principal? Desde o surgimento do moderno CFA de Cotia, foram poucos os jogadores que realmente tornaram-se importantes entre os profissionais, mas 2015 pode ser, enfim, o ano da base no São Paulo.

 

Dominado por empresários e dirigentes/ditadores, o CFA de Cotia sempre foi “um clube independente”, como já foi admitido pelo treinador Muricy Ramalho e por parte da diretoria, mas finalmente as atenções parecem estar voltadas para unificar Cotia ao CT da Barra Funda, os empresários não fazem mais o que bem entendem, o Juvenal enfim foi desligado do clube e o número de jogadores diminuiu, o São Paulo agora busca qualidade e não quantidade. A gestão do Aidar é polêmica, acertos e erros tem uma repercussão exagerada, assim como acontecia na administração anterior, mas pelo menos em relação às categorias de base devemos ter uma melhora significativa, já que o comando será profissionalizado.

 

Tricolor-tem-mudança-no-comando-do-time-da-Copa-São-Paulo
O treinador Menta tem uma geração muito talentosa em mãos.

 

Se fora de campo parece que a administração de Cotia será prioridade, dentro de campo também há motivos para se animar. Desde o ano passado o São Paulo utiliza um elenco extremamente jovem na Copinha, com média de idade em 18 anos e com atletas do profissional não sendo convocados para a competição, uma decisão correta. O motivo de comemoração, porém, é outro: a base que disputa a Copa São Paulo em 2015 parece ser extremamente talentosa, como futebol coletivo talvez seja a melhor já formada em Cotia, prova disso é que já fomos campeões com esses jogadores em outros campeonatos. A crise financeira também parece ser, por incrível que pareça, uma boa notícia para os jovens talentos, que já veem a diretoria pressionar o Muricy pela utilização de jogadores da base no “Paulistinha”. Que cheguem os próximos jogos (os dois primeiros foram contra adversários fraquíssimos) e o São Paulo passe por cima dos rivais e conquiste mais um título na Copinha. Com a “casa” arrumada fora de campo e uma geração talentosa nos gramados, será que enfim Cotia renderá ao time principal vários jogadores no mesmo ano?

 

  • Como frisei no início do texto, prefiro ver o Tricolor vencer a Copinha do que o Estadual. Todo mundo que já me ouviu falar isso me chamou de louco, mas explico: A Copa São Paulo é uma competição nacional diferente de qualquer outra, são mais de 100 clubes na disputa (tá certo que muitos chegam ao torneio como meros figurantes), tradição é o sobrenome da competição. Além disso, o Estadual há tempos não tem credibilidade por conta dos mandos e desmandos da FPF e de seus regulamentos “criativos”. Como se não bastasse tudo isso, ainda tem uma explicação histórica pra mim: foi na Copa São Paulo, em 2010, contra o Santos, que vi o Tricolor pela primeira vez campeão no estádio. A geração de Lucas (então Marcelinho) e Casemiro venceu o Peixe nos pênaltis após um jogo dramático.

 

ST