RETROSPECTIVA 2019

Blog Especiais Tricolor

Torcedor tricolor on the rock

 

Não foi um ano para o torcedor tricolor ter boas lembranças. A exemplo dos últimos anos, uma sucessão de erros de planejamento, de contratação e quatro técnicos, fizeram com que o time do Morumbi patinasse e não ganhasse nada, evidenciando o desastre administrativo da administração Leco no Morumbi.

A troca de Aguirre por Jardine foi danosa pro time e o clube passou o ano todo tentando correr atrás do prejuízo que cometeu. O ano de fato pro clube acabou na vergonhosa eliminação da pré-libertadores para o Talleres da Argentina quando perdemos por 2×0 e só empatamos no jogo de volta por 0x0.

A esperança nos pés de Diego Souza, gordo e desinteressado não aconteceu e o clube sofreu um vendaval com a saída de Jardine que nunca deveria ter entrado. Em seu lugar foi contratado,Cuca que só poderia vir dois meses depois devido a estar se recuperando de um problema de coração. Enquanto isso seguidos erros de departamento médico, de fisiologia e físico comprometeram duas das principais contatações do tricolor pra temporada: Pablo e Hernanes. Pablo que tinha um problema na panturrilha que não se curava, descobriu que tinha um cisto na região lombar e precisou operar.

Inacreditável que o departamento médico não tenha descoberto isso, já com Hernanes suas sucessivas contusões e o fato de nunca ter ficado em forma comprometeram o seu trabalho no time, o resultado é que o tricolor ficou a grande maioria de seus jogos sem duas de suas principais contratações. Enquanto esperava Cuca,o São Paulo teve no comando Wagner Mancini que num campeonato com nível bastante fraco conseguiu levar o time a uma final de Campeonato Paulista, o que seria um feito e tanto para quem não ganhava nada de relevante há 10 anos.

Mas parou por ai, na disputa da final e com Cuca no comando, o SP não foi páreo graças a escolhas bastante equivocadas do novo técnico que ressuscitou Jucilei e colocou Everton Felipe no ataque, o resultado 2×1 para o Corinthians e o aumento para 15 anos sem ganhar títulos no regional.

Enquanto isso o São Paulo começou o Brasileirão, tropeçando nos resultados e com uma campanha bastante irregular no Brasileirão, um time que não fazia gols era o mote desta coluna e o tricolor teve uma das piores médias de gols de sua história, no meio disso Cuca permitiu que garotos promissores que tinham ido surgido no Paulistão como Igor Gomes fossem treinar com Tite, num amadorismo que cheirou mal para o técnico tricolor. Aliás Cuca, o terceiro técnico tricolor na temporada, não conseguiu jamais dar um padrão tático ao time. Uma sequência animadora de  resultados após a Copa América, inclusive uma convincente vitória contra o Santos de Jorge Sampaoli animou o torcedor tricolor, mas a eliminação de Cuca na Copa do Brasil e a única competição que o tricolor disputou encheram o trabalho do técnico de questionamentos.

Cuca foi uma enorme decepção, pois insistia num esquema tático que não deu certo e não trouxe resultados, em Agosto chegaram Daniel Alves e Juanfran, duas contatações bombásticas que fizeram o torcedor tricolor acreditar que o ano poderia terminar melhor. Mas o mau futebol do time e uma derrota dentro do Morumbi por 1×0 acabaram com a era Cuca que pediu demissão.

A escolha do novo técnico poderia ser natural com o prosseguimento do trabalho de Wagner Mancini, porém os lideres do elenco exigiram a vinda de um nome e para espanto de parte do torcedor tricolor, veio Fernando Diniz, um técnico com um aproveitamento de apenas 26% na série A do Brasileirão e que deixou os times que comandou na zona de rebaixamento como: Fluminense, Athlético-PR.

Diniz realmente não só não fez um bom trabalho no time do Morumbi com o time sofrendo vexames históricos, como esses vexames como a derrota para o Palmeiras por 3×0 colocaram uma enorme dúvida na cabeça do torcedor tricolor e com um receio de sequer se classificar a Libertadores.

Pior do que ter contratado foi a ideia de manter Diniz, um técnico que disse que só em oito meses o SP jogaria um futebol igual ao do Fluminense, que o mapa emocional dos jogadores estava baixo e outras frases bizarras. No fim do ano o SP ganhou seus dois últimos jogos e auxiliado pelo título do Flamengo no Brasileirão e na Libertadores chegou a fase de grupo na Libertadores. Um título para quem jogou um futebol tão ruim e decepcionou o seu torcedor, o grupo tricolor terá adversários complicados como o LDU. River Plate e Binacional do Peru que fica a mais de 4000 metros de altura.

Chegaram as férias e dois casos de flagrante desrespeito a camisa do tricolor partiram de dois jogadores do elenco: Jean e Arboleda. Para o bem do clube, ambos precisam sair, Jean porque cometeu um crime de ter espancado sua esposa, por mais que já tenha saído da prisão, sua permanência se tornou insustentável e Arboleda porque perdeu o respeito com o time e com a torcida ao vestir a camisa de um rival.

O fato é que parte do torcedor são-paulino chega a 2020 rezando pra que Leco saia logo da presidência do clube. Depois de tantos erros em 2019, o ano começa sem grandes expectativas, de olho apenas nas futuras eleições do clube no mês de Dezembro. Ali de fato será decidido o futuro do clube para os próximos anos e poderemos ter uma ideia se o clube pode voltar a ser o que sempre admiramos, uma referência em termos de futebol e de administração.

Esta coluna volta agora dia 14.01 desejando que o seu 2020 seja recheado de paz,harmonia,saúde e muito sucesso.

Feliz 2020 torcedor tricolor

 

Até o dia 14.01

Siga-me nas redes sociais

 

Twitter: @fernandocruz37

Instagram: fercione